no dia de Iemanjá

abstract-2468874_1920

nos teus olhos
corre um rio tão fácil
de perder de vista
onde encontra o mar

no teu corpo
um remanso o tempo
onde me aposento
se quero me dar

todas as redes do mundo
todo o sertão em luar
todos os barcos que partem
no dia de Iemanjá

nos teus sonhos
eu me encontrei inteiro
eu virei passageiro
e deixei de esperar

nos teus contos
eu vi fazer a terra
onde enraízo as horas
e vou encontrar

todas as redes do mundo
todo o sertão em luar
todos os barcos que partem
no dia de Iemanjá

no dia de Iemanjá
no dis de Iemanjá

amor-fumaça

smoke-108664_1920

quais cores perdi
te olhava detrás da vidraça
vais? não compreendi
devo mentir; é amor que passa

há tempos demais
os ponteiros são tolas trapaças
tens quandos de mim
pouco talvez; amor sem graça?

mesmo que os dias me calem
sonho um turbilhão
mesmo teu corpo já raro em minhas mãos
amor também é solidão

mesmo que os livros te falem
fuja a uma oração
mesmo assustado teu doce coração
amor também é confusão

há flores pra mim
já te vejo a correr pela praça
vais? já compreendi
o teu amor é pressa ou nada

sei me refazer
destilar o amor em cachaça
queima meu peito em nãos
talvez o amor seja fumaça

mesmo que os dias me calem
sonho um turbilhão… Continue lendo "amor-fumaça"

canção para frestas

nem pensava ser revirado
nem perder a certeza
nem previa este escampado
nem mais nova princesa

que me veio num fim de dia
luz, azuis, pés na areia
de roubar fôlegos e vistas
me enredar suas teias

serena, verbena
que me desejou
em asas, sem casa
inteiro no amor

mas o tempo moço severo
ilusões não daria
e das frestas faria nadas
a soprar seus não queros

e vencidos pelos compassos
que juramos perdidos
são os muros que fazem regras
águas são só jazidos

serena, verbena
que me imaginou
em asas, sem casa
perdido do amor

cabotagem

shipwreck-2096945_1920.jpg

quanto mais te calas
grassa um calo seco.
e ata a tua garganta

quanto mais espaça
mais denso o lastro.
calcária espera de janela

quanto mais te partes
mais descreves arcos.
estreita cabotagem de si

pois se não te podes ir do amor
e jeito não há ao todo querer
peças por júri, mora, apelação

se já não há nada que é certo
já não é nada que saibas.
que te faças onde te perdes

e nisto de ancorar, defeso,
no tempo rabisque barcos
longas redes lançadas a
recolher quintais

de vascos, cabrais, fernãos: nada
nem cabos, naus ou terra nova.
nem amor que vá onde não há

só um compasso de parcos metros
só o impossível desfazer amarras

só o balanço das águas
no baixo do cais

e vertigem de amor
à beira mar

amor jobim

piano-1522856_1920
há papéis sobre a mesa
que eu mesmo escrevi:
tantos planos de curso
gente que desenhei
as perguntas pra tudo
País que atravessei
numa viva matriz…

pincéis

sublinhei em laranja
a palavra amor:
nas letras de itamar
livros de mia e rosa
nas meninas do Vale
que eu mesmo escutei
telas de beira-mar…

azuis

há quarenta e seis dias
faço a casa em sol
linhas tênues borram
sonhos que desenhei
e me faço mais cinza
me começo outra vez
é preciso remar

te chamei

para provar as noites
ser menino ao tempo
vamos brincar lá fora
mergulhar no sereno
e viver só de tons

amor jobim

é dormir nos teus braços
para perder as festas
é quando queres muito
e é quando não pensas
quando vai quando quanda

Calcutá

sea-2561397_1920

lua em vermelho e
os dias em Calcutá
de esquinas e nãos

volto a beber areia
torna a teia em tez
o nada não tem fim

o tempo come tudo
água se faz em sais
o verde em ilusões

faíscas à beira mar
de fronteiras azuis
e pás de reversões

faz frio e há fumaça
e a nau deve zarpar
fazer o corpo em nós
se quero o teu lugar

de Djavan bebi o a
de Caetano o seu cê
Julinho nem cantou

vai roto um manual
caducas as sessões
e o tempo explodiu

vento veio por fins
longe se pois perto
e o cais se encostou

o medo é que o amor
tão e tanto ancorado
queira partir de mim

faz frio e há fumaça
e a nau deve zarpar
fazer o corpo em nós
se quero o teu lugar