cabotagem

shipwreck-2096945_1920.jpg

quanto mais te calas
grassa um calo seco.
e ata a tua garganta

quanto mais espaça
mais denso o lastro.
calcária espera de janela

quanto mais te partes
mais descreves arcos.
estreita cabotagem de si

pois se não te podes ir do amor
e jeito não há ao todo querer
peças por júri, mora, apelação

se já não há nada que é certo
já não é nada que saibas.
que te faças onde te perdes

e nisto de ancorar, defeso,
no tempo rabisque barcos
longas redes lançadas a
recolher quintais

de vascos, cabrais, fernãos: nada
nem cabos, naus ou terra nova.
nem amor que vá onde não há

só um compasso de parcos metros
só o impossível desfazer amarras

só o balanço das águas
no baixo do cais

e vertigem de amor
à beira mar

amor jobim

piano-1522856_1920
há papéis sobre a mesa
que eu mesmo escrevi:
tantos planos de curso
gente que desenhei
as perguntas pra tudo
País que atravessei
numa viva matriz…

pincéis

sublinhei em laranja
a palavra amor:
nas letras de itamar
livros de mia e rosa
nas meninas do Vale
que eu mesmo escutei
telas de beira-mar…

azuis

há quarenta e seis dias
faço a casa em sol
linhas tênues borram
sonhos que desenhei
e me faço mais cinza
me começo outra vez
é preciso remar

te chamei

para provar as noites
ser menino ao tempo
vamos brincar lá fora
mergulhar no sereno
e viver só de tons

amor jobim

é dormir nos teus braços
para perder as festas
é quando queres muito
e é quando não pensas
quando vai quando quanda

Calcutá

sea-2561397_1920

lua em vermelho e
os dias em Calcutá
de esquinas e nãos

volto a beber areia
torna a teia em tez
o nada não tem fim

o tempo come tudo
água se faz em sais
o verde em ilusões

faíscas à beira mar
de fronteiras azuis
e pás de reversões

faz frio e há fumaça
e a nau deve zarpar
fazer o corpo em nós
se quero o teu lugar

de Djavan bebi o a
de Caetano o seu cê
Julinho nem cantou

vai roto um manual
caducas as sessões
e o tempo explodiu

vento veio por fins
longe se pois perto
e o cais se encostou

o medo é que o amor
tão e tanto ancorado
queira partir de mim

faz frio e há fumaça
e a nau deve zarpar
fazer o corpo em nós
se quero o teu lugar

lição de física a minha filha

board

não me caiu
maçã na cabeça
mas conheci a
Gravidade do amor
aos trinta e oito anos

tornou-se lei

mudei o preciso
de um seno
por um
manente senão
e curvei o
ângulo de enxergar

mudou o cálculo
para o que
era um
fazer-se
linha e borrão

amor + amor
e um pai
se fazer dois
antes e depois
de ti

as verdades
pedaço e
clarão
deram
linha de fuga
a um antes
em plasma

e reinventei
tempos
cantigas
cirandas

o ponto
virou vértice
e de quadrado
me vi raiz
um tanto
mais funda
um pouco mais

pai-ciência
pai-lhaço
pai-xão
paí-ó

pra
te pegar no colo
ser teu guardião
tua afirmação
diversão
conta

e dilatar o tempo
esperando
operando
silenciando

até me tornar
só fórmula
uma lembrança
de mim

tu = [eux + só(teu)] / mundo

e te deixar um x
pra dele se fazer 0
e eu apenas 1
mais um
dos teus

dobras

sat
lhe escreveria
palavras azuis

seria apenas para
lhe atiçar sorrisos

e dobraria o tempo
em camadas finas

para me mover
do antes ao agora

de hoje a ontem
sem obstáculos

e seria um satélite
minúsculo flutuante

a orbitar nossa cama
fotografando teu mundo

as cores dos seus sapatos
as marcas do teu rosto

teus olhos apertados
e os teus cabelos brancos

até me perder no tempo
mergulhar em outras dobras

e sempre poder voltar
em todas as direções

lá e aqui, lá e aqui, lá e aqui
para não existir saudade

oirártnoc

opposite

pois o amor é bem
um contrário

isso que quanto mais vai
mais vem

esse jogo de pregar a
defesa aberta

esse empréstimo a
fundos perdidos

essa casa gigante
de brisas

um silêncio que quer
dizer muito

um enxergar a infinitas
distâncias

este agora que evapora a
fazer chover

esse resto que ocupa o
centro da mesa

essa coisa gigante que a
gente não tem

e insiste em dar a um
outro qualquer

beirais

e o amor era tão somente
seus vestidos estampados

os frascos esparramados
sobre a pia do banheiro

as malas retornadas de
mais outra breve viagem

os livros esperando olhos
sobre os criados mudos

as telas coloridas nas
salas de estar

as fotografias de família
esperando nas paredes

os discos de vinil no
silêncio do armário

as panelas azuis entre
as marcas do domingo

os brinquedos pela casa
o sono da nossa menina

e o amor era tão somente
aquilo que abrigava a gente

o cobertor de lã e os corpos
das garrafas de Malbec

o orçamento a ser preenchido
e o longo vidro de macarrão

as chaves dependuradas e as
sóbrias garrafas de cachaça

as férias no horizonte e as
festas de aniversário

os amigos que virão no
sábado a se passar

o café na padaria e os
cachorros pela calçada

um embaraço de palavras e um
telefonema de saudade

os filmes que nos assistiram
desaparecer no fundo do sofá

e o amor era tão somente
uma coleção de pegadas

e nem era exatamente assim
mas a trama que fazia viver