casa de vozes

eu moro em uma casa de vozes
eu moro mesmo entre as palavras
moro nos sujeitos, moro no verbo
moro nos pontos, poros, entrelinhas

eu tenho amigos nessa casa de vozes
e moro nas suas tantas sentenças
ora moro no amor, ora nas desavenças

se tenho respostas pra todas as coisas
é nas perguntas que eu moro mais
na não-coisa em que a coisa-se-faz

eu moro em uma casa de vozes
eu moro nesta amarra de nós

e sei gostar dos que desato
e também do que empedra
do que não vai
que não se diz
que não se inscreve
em cada um de nós

parte de mim

water-1501291_1920
vai, é teu tempo de navegar
solta os laços
vai ter o mar
se há nós
te atando ao cais
toma o vento
e parte de mim

vai contigo sob o luar
noites tristes
são sempre assim
arremesso e arrebentações
tantos portos e solidões
e o mar não quer terminar
não há volta e onde atracar
se um naufrágio chamar por ti
pede ao tempo pra te enredar

melodias com teus irmãos
não ancora teu coração
vai às ruas vai caminhar
deixa o mar se esquecer de ti

numa esquina um dia comum
quando o sol já morar em ti
diz ao céu um verso qualquer
pede ao vento trazer pra mim

que te escuto tão longe amor
e tão longe é dentro de mim

Imagem de dakhlallah, Pixabay.

insistências

concrete-wall-3176815_1920não há verso
cansado demais

as aves sim
se cansam
os homens sim
se esquecem
as pedras sim
desgastam
e todo tempo
longo se esvai

mas palavra
não cessa
e vontade
não passa

pois até os
mortos falam
nos vivos

memórias que
podem tanto
segredos que
mudam tudo
sonhos que
rasgam corpos

e até as paredes
quando escutadas
têm melodias
e conselhos
a dar