não

um tempo
à beira das horas
nonada do mundo
esquecido de estrada
palavra e disposição

levar borracha do bolso
em apagar a tendência
feito a ave-maria
lusco-fusco em solidão

ser feito d’água
em diluir
tal bruta concentração

e acordar comigo
parir minha vez
na palavra que evito

esse avesso do sim
estranho raro
estrangeiro: não

canto de espera

passa o quero-quero
que tanto quer
esse pássaro,
isso crucificado
grita-sem-coisa
voa sem porto

quero-quero-quero

que tanto traduz o mundo
tudo ela aquilo tanta gente

quero-quero-quero

aveamplificador
teu bico é um balcão
fila de náufragos
teu vôo arremessa
bocas fechadas
gente-que-não

quero-quero-quero

pássaro vagão de desejo: vai
eu vi a fome tua alma
em incessante tentativa

quero-quero-quero

tu és tanto silêncio
teu nome é distância
teu nome é não posso
teu nome é não tenho
teu nome é cadê
teu nome é
ave-

quero-quero-quero

machado

andava raso, no vesgo da luz
um machado pendia nas mãos.

o silêncio ponto do pássaro
fazia um tanto calor semfim.

e o tempo ia torto, sem sopro
de um sol promovido a doutor.

entre lembranças verdes, o,
casmurro na sombra minguada.

esqueceu-se do trem, amolecou-se
anoiteceu em ver quinquas borba