mínimas notas

drop2

“a solidão é um espelho e mais nada”

“a saudade é uma questão de esquinas”

“todo amor é um conflito de interesses”

“minha boca cospe ossos no cais em que ancoras faminta”

“te traduziria em flores; mas parei de te escutar”

“cultivo labirintos vivos que percorro em queda livre: sempre depois de almoçar”

“habitava um ponto-cego permanente: seu latifúndio defeso a bala”

“favor enxergar os pássaros como fábricas de nuvens”

“tudo que lhe ocorria já tinha dono: nunca falava por si”

“era algo estranho: cimentar aqueles poços sem fundo até terminar com medo do escuro”

“temia olhares que o chicoteavam, nu; que lhe cobravam dedo, pele, palavras”

“sempre sei o que falar, antes de me esquecer”

“de tanto não escutar, ficou sem saber”

“prefira o sol, mas aproveite a lua”

“nem tanto o mar, nem tanto o mal. o mundo é dos tico-ticos”

“o que sai da sua boca é o que vai te levar”

“disputar o mundo infinito é tarefa para se medir em centímetros, no sempre”

“o tempo reescreve o tempo; enquanto tentamos o futuro, quase sem fôlego, a gente só domina mesmo é a invenção do passado”

“nem a fome revela a infância dos homens como a política”

“nem toda Janaína é mar”

“mil folhas é o doce do outono”

“vencemos quando pensamos”

“eu gosto de poesia em gotas, tal como escutei dizerem as pequenas plantas, a respeito de toda água do mundo. Existir se confirma em porções”