cabotagem

shipwreck-2096945_1920.jpg

quanto mais te calas
grassa um calo seco.
e ata a tua garganta

quanto mais espaça
mais denso o lastro.
calcária espera de janela

quanto mais te partes
mais descreves arcos.
estreita cabotagem de si

pois se não te podes ir do amor
e jeito não há ao todo querer
peças por júri, mora, apelação

se já não há nada que é certo
já não é nada que saibas.
que te faças onde te perdes

e nisto de ancorar, defeso,
no tempo rabisque barcos
longas redes lançadas a
recolher quintais

de vascos, cabrais, fernãos: nada
nem cabos, naus ou terra nova.
nem amor que vá onde não há

só um compasso de parcos metros
só o impossível desfazer amarras

só o balanço das águas
no baixo do cais

e vertigem de amor
à beira mar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s