sete vezes

dog-paw-1575029_1920

vivi ao
teu lado

quase-ano
de cão

tudo somou
por sete

sete vezes
mais vontade

em caça
te converti

sete vezes
mais verdade

em pelo
te conheci

sete vezes
mais saudade

aos saltos
te recebi

sete vezes
mais faminto

aos rasgos
te carcomi

sete vezes
mais espera

de raiva
me envelheci

sete vezes
mais calado

sete vezes
mais cansado

sete vezes
corpo castrado

nas luas
me perverti

até abichar
meus olhos

até desabar
em patas

até desalmar
em ladra

a poesia
que escrevi

Mirante

background-2529716_1920
ora estrelas nas ondas
ora saveiros no ar
em horizontes confusos
danço a passos em nó
de nem lá nem cá

tenho este estado de nadas
nem mesmo sei meu lugar
em todo porto um parte
porque outro um vai ficar

em cartas d’água desenho cais
mas nem há tempo de ir pra trás
de nada servem os mapas, pai
se para olhos fechados
os sóis são jamais

menino recolho as tralhas
atordoado vou me atirar
nas noites que se refazem
sou tentativas de longe
sem nada arredar

velas de vento soprar
velas do tempo apagar
velas o corpo já posto
velas o amor a filtrar

ora estrelas nas ondas
são saveiros no ar

cascas

well-masonic-1267449_1920

pois as minhas quedas são dentro
não é que não vou; não vês

que quando anoiteço
é nas esquinas do peito
que eu tropeço cansado

e que mais amargo não há
que meu silêncio em pedaços

se me amarro? confesso
é nas curvas das minhas tripas
que eu escondo os descasos

e aposto que mais fundo não há
que os poços nos quais me atiro

diário me fiz casca grossa, verdade
o tempo só me inverteu as coisas
e para cada pétala… pau

porque mais ódio não há
que no andor do caminho

enquanto hora entristeço
hora me estrepo
hora disparo

aos faros eu caço
tão incansável
o que há de
bicho e
besta

aqui

no dia de Iemanjá

abstract-2468874_1920

nos teus olhos
corre um rio tão fácil
de perder de vista
onde encontra o mar

no teu corpo
um remanso o tempo
onde me aposento
se quero me dar

todas as redes do mundo
todo o sertão em luar
todos os barcos que partem
no dia de Iemanjá

nos teus sonhos
eu me encontrei inteiro
eu virei passageiro
e deixei de esperar

nos teus contos
eu vi fazer a terra
onde enraízo as horas
e vou encontrar

todas as redes do mundo
todo o sertão em luar
todos os barcos que partem
no dia de Iemanjá

no dia de Iemanjá
no dis de Iemanjá

Atrevidos

tree-1750784_1920

lá dentro da quaresmeira da linda mangueira
há uma obra em arte,
pitiguaris
de dorso preto
e de peito amarelo,
quase limão,
poetas de orvalho

somos Pitiguaris
cantando aqui e ali,
se a alguns só piamos,
para outros cantamos

nós somos atrevidos,
entoamos canções
que ninguém quer ouvir,
ninguém ousa sentir

se a vida é uma composição,
nela vivemos nos fios,
dançamos em altos e baixos,
pra escrever a nossa canção

mas lá na selva de pedra em dias deserto
a mangueira secou
Pitiguaris
de plumas vermelhas
e de peito aberto
quase irmãos
poetas do asfalto

somos Pitiguaris
escrevemos nos muros,
se a alguns assustamos,
outro sonho embalamos

nós somos atrevidos,
insistimos canções
que ninguém quer ouvir,
só alguns vão sentir

se a vida é uma composição,
nela vivemos nos fios,
dançamos em altos e baixos,
percorrer a nossa canção

Link para a canção

[a letra é parceria com o querido amigo Cometa; a melodia é dele]

banhos-de-mar

sea-1246008_1920

e rasgam a minha pele grossa
os dias em que eu não navego
as terras de que não me perco
as luas que não vou encontrar

se me cabe acontecer no mar
o tempo no cais me des-espera
longos dias a me parir adentro
contra a maré à beira-de-estar

é tanto lastro no peito da gente
que nem todas as brisas levam
e nem todo mastro teso espaça
o nó que a gente enreda pra si

e até que a pele arrebente em litoral
vão pregos no tempo de quase zarpar
enquanto os olhos tramam dor e querer
me abrigam mudo em banhos-de-mar

remanso

sculpture-2138140_1920

não invento segredos
palavras é que raleiam
quando não há porto ou cais

volantes como marés
cantos só são nos ouvidos
e som não vai onde nada há

então me pedes o que
carpideira de quem nunca vi?
o oco sussurro de quem já partiu?

não remendo silêncios
nem se alcança de salto
o vesgo do barranco

é no remanso das bocas
o teu rosário e noventa
torta ladainha em dó
a te fazer escutar

amor-fumaça

smoke-108664_1920

quais cores perdi
te olhava detrás da vidraça
vais? não compreendi
devo mentir; é amor que passa

há tempos demais
os ponteiros são tolas trapaças
tens quandos de mim
pouco talvez; amor sem graça?

mesmo que os dias me calem
sonho um turbilhão
mesmo teu corpo já raro em minhas mãos
amor também é solidão

mesmo que os livros te falem
fuja a uma oração
mesmo assustado teu doce coração
amor também é confusão

há flores pra mim
já te vejo a correr pela praça
vais? já compreendi
o teu amor é pressa ou nada

sei me refazer
destilar o amor em cachaça
queima meu peito em nãos
talvez o amor seja fumaça

mesmo que os dias me calem
sonho um turbilhão… Continue lendo "amor-fumaça"

canção para frestas

nem pensava ser revirado
nem perder a certeza
nem previa este escampado
nem mais nova princesa

que me veio num fim de dia
luz, azuis, pés na areia
de roubar fôlegos e vistas
me enredar suas teias

serena, verbena
que me desejou
em asas, sem casa
inteiro no amor

mas o tempo moço severo
ilusões não daria
e das frestas faria nadas
a soprar seus não queros

e vencidos pelos compassos
que juramos perdidos
são os muros que fazem regras
águas são só jazidos

serena, verbena
que me imaginou
em asas, sem casa
perdido do amor