um quarto

o quarto tinha uma cama:
era a placa onde
se escreveu amor

e se escreveu silêncio
medo-de-chuva
preguiça de amanhã
vontade de fazer-se
palavra magica
pir-lim-pim-pim
e ser invisível
invencível
impossível

o quarto tinha
um sol e uma lua
desaparecidos
no esconde-esconde
que nunca se acabou
[nem nunca vai]

o quarto tinha os
livros que já
não eram livros
a lua de mel
que não vingou

e fotografias
mais parecidas
a nuvens ligeiras
que o vento soprou

a frase que se perdeu
a historia que virou pó
o filme mudo
e calado
que ninguém revelou

o quarto tinha
também um moço cansado
usado por seus
esquecimentos
calejado em já
não dizer – torto dos sentidos
coxo dos desejos

um pai acovardado
machucado na
pele dos seus olhos,
em um coração mudo

aquele era um
quarto, era metade
era a beirada,

tudo, só a beirada
do que se espera
nesga do que se quer

e no canto
do quarto
uma moça como vulto
mobília e veste
esquecida

que já não
combinava
ali

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s