indagação, mais nada

do outro lado da palavra existe o quê?
o quando? o quem? o qual?

o sorriso e a angústia do pescador?
as mãos e o pânico do alpinista?
o coração que bate na sua boca?

existe o quê? se
do outro lado da palavra mora um espelho,
imagens do nada
andar vazio
o depois do incêndio.
convém?

***

a palavra não-é.

aqui escrevo sustos
impressos no meu tempo,
enquanto toda idéia é um não-saber
abro buracos em cada sentença

a palavra é minha sentença.
ela pensa, quando pensar é não-ser.
o afundar no poço de cada escolha

por quê não falo?
a palavra é arremedo, imitação, poesia.
é ponte entre mundos que não habito
onde não existo

linha de costura a nos enganar
finge cerzir o pano invisível da existência

na palavra:
sujeitos sem pátria
silêncio e labirinto

na palavra:
hei de também não existir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s