decalques

a menina é o lampejo de uma promessa.

ela nunca entendeu-se
porque seu tempo-em-ser
é sempre não mais que
a sombra de um vôo
do pássaro em fuga

a menina é um tipo de
náufrago que emerge
vez ou outra no batido
oceano de suas fronteiras

ela é o susto na montanha russa

viaja indefinida na máquina-do-tempo
arrancada de seus algarismos.
e vai ao sem-fim…

um quase, em quase
todas as horas. é aquela
que brota fátua no impreciso
tempo das tentativas

notória e pálida certeza
do desejo que haverá amanhã.

ela é sombra? não.

é por isso tudo, bela.
bailarina em existência misturada
à multidão, e seu contorno
perde-se no rosto de
tudo o que vive

viva corrente no leve
e livre manuseio da linha
a cerzir impossível,
desejo e fracasso.

moça-assustada;
não é preciso não.

é isto impossível,
o espacial abismo aos teus pés
a tua virtude

cada laço encontrado
das tuas amarras é
o ninho quando
brilha teu rosto

todo tropeço
um trapésio a te
lançar ao sublime.

cada incerteza e esquina
o decalque, teus dedos
no rosto da tua tribo

você é, porque não.

e toda tua falha
te aproxima
e me aproxima
de mim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s