mais infâncias

a infância é um caminho,
sempre é.

naqueles dias fazia da
colorida capa do edredon
nossa máquina-do-tempo

dali viajamos a todas as terras
de dinossauros: latiam lá fora
enquanto a gente se encolhia
em pânico-gargalhadas

dali evaporamos ao futuro de todos
os carros e gente voadora: lá fora
robôs soldados a latir em ameaça

aquele jardim era uma passagem
cada planta, pedra, bicho
tudo emprestava pra gente o
feitiço de ser outra coisa

canibais por detrás das moitas
ninjas escalando o telhado
a terra que engolia tesouros
areia que matava a fome

tudo como se com vontade
razão e movimento

devo ser
que me explico
pela máquina-do-tempo:

este agora é um futuro
que me abraçou pesado
enquanto carrego
o quem-sabe poder voltar

de quando em quando
penso ouvir o cachorro
misturado a criança, café
e bolo de cenoura

vai ver é que a gente
corre muito
que é pra não estranhar
o mesmo jardim, o sempre
edredon e o susto
de que não vai crescer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s