livro dos nós

é como aquele inteiro ano
infinitas curvas de rodas d’água
fosse um amanhecer de dia santo

faz um silêncio em floração
feito aqueles milagrinhos
no pouco das frestas na calçada

vai existir um outro tempo
um estar na cama, que é a
conta entre culpa, angústia, solidão

o pão conhecido em detalhe novo
um café a tornar-se frio, e os
pés no gelado do ladrilho

a gente tem um querer solto
arisco em ser qualquer coisa
pensa que é água, que é vento

que desdobra em toda orgia
de pensamento: poda o capim,
corta o baralho, proseia a cachaça

vive o sublime do joão-de-barro
no enquanto a gente se basta
é auto em toda coisa pequena.

não nada. não tarda a existência
a tornear no dentro um vasinho
de doença, um zumbido, uma coisa

o tempo entornado é tudo oficina
e o querer sem fronteira o barro
do vaso, a fria matéria-prima

a gente sonha lampejos de paz
e só desadoece quando não existe.
todo dia que acaba é só tratamento

se há graça, está na vigília,
no fardo de terra que se alivia
no tempo-de-aleluia de um enxergar

cada inteiro ano é então pó
pedra-sabão que a hora vai roer.
chão, relevo, sonho e só

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s