torneira do tempo

bobbin-56511_1920

hoje relampeja.
chuva? Nada

a torneira
pingava o tempo
em ladainha

eu nadava as gotas
enquanto
concebia em esperança
um rio de devaneios
e viver em vertigem

sentia na cabeça:
existir é pescar.
importa fome
e desejo
nem sempre se sabe
tanto um, quanto outro
mas hão,
emaranhados

arremesso em tempo de lesma
tatear no caladão das horas
insistir sobre a perda
recolher sabedoria e gosto.
o peixe, no às vezes
dos dias

no barranco
recolho os olhos
aqui era um dia seco.

defeso do azul
enquanto está
cada vez mais
em mim,
que toda
torneira
é um rio
que desistiu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s