para os dias comuns

toda pressa reprime
um silêncio

enquanto ponteiros
sequestram corações

o asfalto falseia
os contornos do tempo

e de solidão ninguém
se orgulha nas madrugadas

um dia é uma coleção
de vontades

braços quentes,
arremedo de útero

enquanto o cais
é um covarde viajante

toda invenção é aragem
em pulmões inférteis

toda poesia é lamento
êxtase e aparição

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s