otero

o mar não vai saber vestir em ti
nem é cedo o dia em que chegaste
e não há águas que te façam uma
quando tu és vulcana de pátrias

tu segues um encontro de cores
a língua enrolada de teus pares
uma mina a escorrer maratonas
em conta da água que não te cabe

tu és um aviso atrasado de enchente
e o colo quente que a cidade perdeu
esta outra refeita em cópia bruta
lamina d’água no oco do paredão

nada, não te cabe o coito das águas
nem o vaso partido, o balde, o poço
nem o lago andino, o rio de-janeiro
nem cais nem tu nem mar nem tina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s