o jornal

ler o jornal
não me acode

não há um só tempo
no olho amargo
destes tipos

e encontro uma prosa
seca nos dentes de quem
articula os fatos

um gosto de já morreu
como se fosse
tudo escuro no amanhecido
e só lhes coubesse
ser Creonte num texto
que só enxerga nadas
e que me cobra caro
a luz e o doce
que faço ver
nos arredores da
minha cidade

ler o jornal
não me acode

porque ali reza a feia
cartilha dos brancos
que nunca souberam
pisar o chão
com medo de enraizar
prazeres na terra fértil
dessa cabeça pátria
misturada que apenas é

porque os diários
são uma coleção de nãos,
gene do arame que
insiste em cercar as ruas
e deitar os campos

ler o jornal
não me acode

porque hoje é um dia
de semear amplos,
e de regar de tempo
gana e suspiro
as direções do agora

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s