desajuizado

[um samba que me saiu pelas frestas]

ela não pensa quanta loucura
mora no seu coração
desvanece em madrugadas
quando sem palavras
silencia seu verão

eu me embriago então
pelas esquinas, malabares, multidão
me esparramo nas calçadas
torto e resolvido, grito em voz de batalhão

não quero mais ciranda, simplesmente
cansei de entorpecer meu coração
eu fico aqui calado e de repente
o amor vai me esquecer na solidão

ela se perde então
em labirintos pulsa o seu coração
da janela escancarada
grita o meu nome e se lança à procissão

eu desconjuro irmão
porque o desejo volta feito furacão
na avenida eu disparo
desajuizado, abraçado à ilusão

não quero mais ciranda, simplesmente
cansei de entorpecer meu coração
eu fico aqui calado e de repente
o amor vai me esquecer na solidão

alice: é você?

ali se comia ratos
alice pensava doces
ali se bebia sangue
alice sorria cores

ali se ferrava
alice sonhava
ali se matava
alice assistia

alucinado tempo
alucinante ilusão
alice alucinação
ali luciferificação
dizia-se porrada
dizia coração
dizia-se estupra
dizia uma canção

ali se perdia
alice sensação
ali se fazia
alice alienação

aliste-se menina.
alice ali se perderia?
caralho.
demora, eu sei
toma vidas, toma tardes, toma tempo
mas não tarda alice
ali, se tocar
aliciar-se
acordar em
escolher contradição